Serra da Boa Esperança

Serra da Boa Esperança
Silvio Caldas – Composição: Lamartine Babo

Serra da Boa Esperança que encerra
No coração do Brasil um punhado de terra
No coração de quem vai, no coração de quem vem
Serra da Boa Esperança meu último bem
Parto levando saudades, saudades deixando
Murchas caídas na serra lá perto de Deus
Oh minha serra eis a hora do adeus vou me embora
Deixo a luz do olhar no teu luar
Adeus
Levo na minha cantiga a imagem da serra
Sei que Jesus não castiga o poeta que erra
Nós os poetas erramos, porque rimamos também
Os nossos olhos nos olhos de alguém que não vem
Serra da Boa Esperança não tenhas receio
Hei de guardar tua imagem com a graça de Deus
Oh minha serra eis a hora do adeus vou me embora
Deixo a luz do olhar no teu luar
Adeus

Serra da Boa Esperança (Lamartine Babo) – Francisco Alves (1937).


“Um dentista da cidade mineira de Boa Esperança, Carlos Simões Neto, trocava correspondência com Lamartine Babo, identificando-se como Nair, na verdade uma sobrinha, então com 7 anos de idade. Só quando Lamartine foi a Boa Esperança, é que soube do logro a que fora induzido. E, na segunda vinda à cidade, compôs este samba-canção clássico, em gratidão à acolhida. Imortal gravação Victor de Francisco Alves, feita em 17 de março de 1937, uma quarta-feira, e lançada em junho do mesmo ano sob número de disco 34174-A, matriz 80339. Chico regravaria a composição poucos dias antes de falecer em desastre de automóvel, em 1952, porém omitiu as duas últimas estrofes. Eis, portanto, o original. ISRC: BRBMG-3700015.”

Por Samuel Machado Filho (Comentário feito no vídeo acima no youtube)


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!